Terça, 16 de outubro de 201816/10/2018
86 9.9458-5206
Muito nublado
23º
25º
32º
Teresina - PI
Erro ao processar!
EMPRESAS DIVERSA POSIÇÃO 1 - AGOSTO 2018
Direto de Teresina
Direto de Teresina

Notícias de Teresina Piauí.

POLÍCIA
Caso Aretha: assassino confesso alega que matou para se defender
‘Ele diz é que ela pegou primeiro a faca e que ele para se defender tomou a faca dela, no entanto, não justifica ele se defender e ter dado tantas facadas nela’, afirmou a delegada Luana Alves.
Redação
Postada em 17/05/2018 às 13h13 - atualizada em 17/05/2018 às 23h36
Caso Aretha: assassino confesso alega que matou para se defender

Paulo Alves (Imagem: Divulgação)

O motorista da Uber, Paulo Alves dos Santos Neto, acusado de matar a cabeleireira Aretha Dantas Claro, prestou depoimento na noite desta quarta-feira (16), no Departamento de Homicídio e de Proteção à Pessoa (DHPP). O acusado de assassinar brutalmente a ex-companheira afirmou que a matou “para se defender”.



De acordo com a delegada Luana Alves, que preside a investigação do caso, Paulo confessou que matou Aretha. "Ele confessou a autoria do crime, além da gente já ter um indício muito forte da autoria, ele ainda confessou. Agora ele contou uma versão mais romântica do caso. Ele alega que estava se defendendo, que também foi agredido por ela, mas uma defesa com mais de 10 facadas é complicado”, disse a delegada.


Ainda conforme Luana, o homem afirmou que Aretha iniciou a discussão que culminou com o seu assassinato. “Ele confessou que travou uma luta corporal dentro do carro, a versão dele é que a discussão iniciou por causa dela, que ela que iniciou a agressão, mas isso é uma versão dele, é um método de defesa dele, ele pode falar o que quiser. Nós temos muitos depoimentos de testemunhas que clareiam bastante. A versão do agressor é uma versão que está a livre disposição dele, ele não vai ser punido se ele mentir, ele vai usar o interrogatório dele também pra se defender e é praticamente pra isso, a versão que pode ter sido orientado pelos advogados”, disse a delegada que prosseguiu.


"Ele está realmente com um machucado, o que podemos confirmar é que dentro do carro teve uma luta corporal, teve muito sangue e que ela foi morta dentro do carro. De acordo com a versão dele, a faca estava no carro, o que ele diz é que ela pegou primeiro a faca e que ele para se defender tomou a faca dela, no entanto, não justifica ele se defender e ter dado tantas facadas nela".


Últimos passos



A delegada contou quais foram os últimos passos de Aretha até o brutal assassinato. “No dia do crime, numa segunda pra terça-feira, ela se encontrou com o ex-namorado, e eles foram pra alguns locais. Ele saiu de um restaurante na zona sul, foram para um motel na zona norte, de lá eles estavam voltando pra zona sul, onde tiveram uma discussão e ocorreu o crime dentro do carro”.


A carta


A polícia encontrou também na residência do ex-companheiro de Aretha uma carta onde ele expressa todo a raiva que sentia pela jovem. “Ele estava bastante chateado com ela, ele mostra uma sensação de inconformidade com algum comportamento dela que ele não precisou qual era, disse que estava se sentindo trouxa, em razão desse comportamento. Todo mundo já sabia e a família também nos informou que ela estava iniciando um novo relacionamento, era um relacionamento sério, era um relacionamento que queria manter a Aretha num padrão de vida, não digo padrão de vida econômico, mas eu digo a questão social, um padrão de vida social mais tranquilo, mais sereno e que a Aretha pudesse se desenvolver como pessoa, pudesse trabalhar, pudesse ter amigos, era uma pessoa que estava envolvida com a família, e que a Aretha não tinha com o Paulo. Então, na carta, que também foi apreendida, ele estava muito chateado com Aretha, falava palavras que a Aretha tinha feito ele de trouxa, que não sabe porque ela tinha feito isso com ele”.


“Ele acredita que outras pessoas interferiram para Aretha iniciar um relacionamento, mas era claro que todos não queriam que ela se relacionasse era com ele”, acrescentou a delegada.


Suicídio


Luana Alves, disse ainda, que Paulo Neto contou que estava muito transtornado após o crime e que por essa razão, pensou em tirar a própria vida. “Dentro da casa tinha uma corda, um banco, agora se utilizou ou se só colocou lá, a versão dele é que ele estrava transtornado, e realmente deveria estar. Na casa tinha muito sangue, ele está com uma lesão muito profunda, e também tem outras cenas de que ele ameaçou se jogar da ponte, agora o que estava no íntimo dele, se ele realmente com a intenção de se matar, isso aí só ele mesmo pra dizer”, frisou.


Atropelamento


Paulo Neto negou no depoimento que tenha atropelado a vítima. Ele disse que não lembra se Aretha “caiu” do carro porque ele abriu, ou se a porta já estava aberta. "Ele disse que não atropelou, mas isso a perícia que vai dizer, se o carro foi usado para atropelar essa moça", finalizou a delegada.


Com informações do GP1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Redação
Redação

Redação

Piauí - PI
86 9-9458-5206
www.canal121.com.br

Publicidade

Publicidade

diversas 1
Facebook

Publicidade

Publicidade

nem motos segunda posição

Publicidade

Publicidade

DIVERSAS

Publicidade

METAS E ATACADÃO AB

Publicidade

Enquete

Nenhuma enquete cadastrada.

Publicidade

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium