Sábado, 17 de novembro de 201817/11/2018
86 9.9458-5206
Parcialmente nublado
23º
28º
37º
Teresina - PI
Erro ao processar!
DIVERSAS EMPRESAS 728X 90 OUTUBRO
CIDADES
Mãe suspeita de matar filhos recém-nascidos e deixá-los no mato é solta por falta de laudo e testemunhas
A prisão foi efetuada no início da noite desta quarta-feira (07), na cidade de Demerval Lobão.
Redação
Postada em 07/11/2018 às 21h32 - atualizada em 08/11/2018 às 21h13
Mãe suspeita de matar filhos recém-nascidos e deixá-los no mato é solta por falta de laudo e testemunhas

Os recém-nascidos foram deixados na mata enrolados em uma toalha (Imagem: Reprodução)

Hildelene de Sousa Lima, 26 anos de idade, suspeita de matar dois filhos recém-nascidos e deixá-los em uma região de mata foi liberada após ter sido detida no início da noite dessa quarta-feira (08), na cidade de Demerval Lobão. A Polícia Civil vai investigar o caso para saber se houve de fato o infanticídio.


Hildelene é a filha mais velha de uma família de três irmãos e já tem uma filha de 5 anos. De acordo com a família, ela estaria no oitavo mês de gestação, mas sempre escondeu a gravidez. Todos são moradores do povoado Barra do Jorge, cerca de 10km da zona urbana de Curralinhos.


 


ACOMPANHE O CASO


 Juíza manda prender mãe suspeita de matar e jogar dois filhos recém-nascidos no mato


A Juíza de Direito da Comarca de Demerval Lobão, Dra. Maria da Paz e Silva Miranda, expediu mandado de prisão contra Hildelene de Sousa Lima, 26 anos de idade, suspeita de ter matado e jogado no mato o casal de recém-nascidos na zona rural de Curralinhos. A prisão foi efetuada por policiais militares por volta das 19h30 desta quarta-feira (07).



Após ser presa, Hildelene foi conduzida para Teresina.


Matéria original


 Em Curralinhos, mãe é acusa de matar e jogar dois filhos recém-nascidos no mato para ocultar gravidez


Uma mulher identificada como Hildelene de Sousa Lima, 26 anos de idade, foi denunciada pelo Conselho Tutelar, acusada de ter jogado dois filhos recém-nascidos em uma região de mato para ocultar a gravidez. O caso aconteceu na noite dessa terça-feira (06), na zona rural Curralinhos. Hildelene adentrou na mata próximo à residência quando entrou em trabalho de parto, onde teria deixado os recém-nascidos. Apesar de sempre negar a gravidez, Hildelene comentou com a família que ela teria sofrido um aborto espontâneo.


De acordo com informações de testemunhas, a mãe da acusada percebeu a movimentação estranha da filha quando a mesma voltou da mata correndo e ensanguentada e foi direto para o banheiro. Sem saber o que estava acontecendo, a dona de casa pediu para seu outro filho ir até o local na tentativa de descobrir o que estava acontecendo. Para surpresa de todos lá foi encontrado um casal de gêmeos enrolados em uma toalha.


Os fetos foram recolhidos pelo Instituto de Medicina Legal onde serão periciados. Hildelene e sua mãe foram internadas no Hospital da cidade de Demerval Lobão.


Familiares desconfiam que ela teve um parto natural, e para manter a mentira resolveu matar as crianças e planejado voltar para enterrá-las depois. Ela usava duas cintas para esconder a barriga.


A mãe estava no oitavo mês de gestação, aproximadamente. O caso será investigado pela Polícia Civil.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Sandra Rodriguez Santo Antônio dos milagres - PI 08/11/2018

Em que mundo estamos meu senhor

Publicidade

Publicidade

diversas 1
Facebook

Publicidade

Publicidade

nem motos segunda posição

Publicidade

Publicidade

DIVERSAS

Publicidade

ATACADÃO AB E F. NOVA VIDA

Publicidade

Enquete

Nenhuma enquete cadastrada.

Publicidade

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium