Sexta, 18 de janeiro de 201918/1/2019
86 9.9458-5206
Erro ao processar!
Erro ao processar!
DIVERSAS - DEZEMBRO GIF ATUAL
Cinema e Tecnologia
Cinema e Tecnologia

Rafael Gomes

ENTRETENIMENTO
Globo de Ouro 2019 premia Alfonso Cuarón e filme sobre o Queen
Cineasta mexicano venceu os prêmios de direção e melhor filme em língua estrangeira com seu filme exclusivo para a Netflix, 'Roma'.
Rafael Gomes
Postada em 07/01/2019 às 10h36
Globo de Ouro 2019 premia Alfonso Cuarón e filme sobre o Queen

Globo de Ouro 2019 (Imagem: Divulgação)

Sandra Oh, além de apresentadora do Globo de Ouro, concorria ao prêmio de melhor atriz em série de drama, por Killing Eve. E ela venceu. Sandra, cujos pais estavam na plateia, não resistiu. “Papai, olhe, ganhei!” Sandra e Andy Samberg bem que prometeram. A festa de entrega do Globo de Ouro deste ano não seria (mais) um desagravo contra o presidente Donald Trump nem de apoio às polêmicas do #MeToo e Time’s Up. Como boa festa, seria só para comemorar, e rir. Não adiantou. O Time’s Up voltou a ser destaque no tapete vermelho dos Golden Globes, com homens e mulheres usando braceletes de apoio ao movimento. Mas a dupla realmente disparou piadas como uma metralhadora, tirando onda dos principais concorrentes. Sandra foi divertidíssima dizendo para Bradley Cooper – “Você é ‘hot’. O favoritismo do astro mais quente da noite não se confirmou e sua versão de Nasce Uma Estrela só venceu o Globo de Ouro de canção – para Lady Gaga, por Shallow.


O prêmio mais importante da noite ficou com Bohemian Rhapsody, cinebiografia sobre Freddie Mercury e a banda britânica Queen. No palco, para receber o prêmio, os músicos Brian May e Roger Taylor. Rami Malek, que viveu Mercury no filme, venceu o troféu de melhor ator. Em seu discurso, agradeceu à banda. "Obrigado a Brian May e a Roger Taylor por garantir que autenticidade existissem na música e no mundo", disse. "Obrigado a Freddie Mercury pela graça da minha vida", completou.


Foi-se o tempo em que o Globo de Ouro era indicador seguro de tendências do Oscar. Hoje em dia, mais vale se fiar nas premiações das guilds (os sindicatos). Mas o Globo de Ouro não perdeu sua importância, até por abrir a temporada de premiações do cinema norte-americano. Tem tapete vermelho, glamour e, com toda certeza, alguns dos vencedores – muitos? Quantos?


– também estarão no Oscar. Por tudo isso, as atenções de quem se liga em audiovisual, cinema e televisão, no Brasil e no mundo, dificilmente deixaram de estar sintonizadas na transmissão do prêmio da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, que entrou pela madrugada desta segunda, 7, horário do Brasil.


Recordista de indicações, Vice, de Adam McKay – o diretor de A Grande Aposta, que venceu Oscar de roteiro –, valeu a Christian Bale o prêmio de melhor ator de comédia ou musical. Logo em seguida veio o prêmio de melhor filme estrangeiro – para Roma, de Alfonso Cuarón, que ganharia mais tarde o de direção. Ele enfatizou em seu discurso o fato de a obra abordar o tema da família, e o cinema é uma família. Ele agradeceu ao México – e todo o mundo sabe que o presidente Trump está em guerra com o Congresso dos EUA para construir um muro separando a ‘América’ de seu vizinho. O primeiro prêmio da noite, bem no começo da festa – melhor ator em série, comédia ou musical – foi para o veterano Michael Douglas, por The Kominsky Method. Focado na terceira idade, conta a história de um professor de interpretação. Venceu também o prêmio de melhor série de comédia. Já o prêmio de melhor atriz na categoria de comédia televisiva ficou, pelo segundo ano seguido, com Rachel Brosnahan, protagonista de The Marvelous Mrs. Maisel.


Os apresentadores do prêmio seguinte já estavam no palco e a cauda quilométrica do vestido de Lady Gaga – que apresentou melhor ator em série com seu diretor em Nasce Uma Estrela, o também ator Bradley Cooper – ainda se arrastava pelo palco. A turma era a de Pantera Negra, que apresentou o prêmio de animação. E quem ganhou foi o ótimo Homem-Aranha no Aranhaverso, que estreia nesta quinta nos cinemas brasileiros. Um novo Aranha, um garoto
negro, que se move no universo paralelo criado pelos diretores Peter Ramsey, Bob Persichetti e Rodney Rothman. Melhor ator em série de drama? Richard Madden, por Segurança em Jogo/Bodyguard.


Melhor série de drama? The Americans, sobre dois espiões da KGB que, em plena Guerra Fria, se fazem passar por um típico casal de norte-americanos no subúrbio de Washington, venceu favoritos como Homecoming e Killing Eve. Nada a ver (nada?) com as acusações ao presidente Trump de envolvimento com os russos para derrotar Hillary Clinton? Pode ser que sim, mas logo a presidente da Associação dos Correspondentes veio defender a dignidade e
independência da imprensa, que tem estado ameaçada no atual governo dos EUA. Foi aplaudidíssima. Melhor coadjuvante de TV? O prêmio contempla série, série limitada ou filme para TV, e venceu Ben Whishaw, pela britânica A Very English Scandal. Whishaw está atualmente nos cinemas brasileiros em O Retorno de Mary Poppins. É muito bom.


Melhor atriz em série, série limitada ou filme para TV? Patricia Arquette, por Escape at Dannemora. Ela seguiu a diretriz dos apresentadores, omitindo a política de sua fala de agradecimento. Ou talvez tenha sido só gata escaldada – Patricia, só para lembrar, fez um discurso feminista por igualdade ao receber seu Oscar de coadjuvante por Boyhood – Da Infância à Juventude, em 2015. Pegou mal em Hollywood – ainda era o início do Time’s Up – e
ela veio a público, depois, para dizer que estava perdendo papéis por isso. O novo prêmio veio pela série limitada (em sete episódios) sobre dois presidiários que conseguiram fugir de uma prisão de segurança máxima com a ajuda de uma funcionária casada, e que era amante dos dois.


Ainda nas categorias de TV, The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story venceu como melhor série limitada ou telefilme, com direito a prêmio também para Darren Criss, por seu papel como o assassino do estilista Gianni Versace. 


O prêmio de trilha – para Justin Hurwitz, por O Primeiro Homem, a odisseia espacial de Damien Chazelle. Meia-noite (e cinco), Lady Gaga chora ao receber o Globo de Ouro de melhor canção original, por Shallow, de Nasce uma Estrela. Só para lembrar – Barbra Streisand, que não concorreu ao Oscar de atriz pela versão de 1976 da mesma história, levou naquele ano o prêmio de canção da Academia por Evergreen. Lady Gaga pavimenta no Globo de Ouro sua trajetória para o Oscar. Como atriz, porém, perdeu o prêmio na categoria principal de atuação feminina para Glenn Close, em seu papel no filme A Esposa. "Estou tão honrada de dividir a categoria com as minhas colegas", disse a veterana ao receber o troféu. "Dizem que temos que ser mãe, esposa, mas, como mulheres, temos o direito de querer preencher nossa vida com mais", completou em seu discurso, recebendo aplausos de pé. 


Dentre os filmes, o que venceu mais prêmios foi Green Book – O Guia, com três, de melhor filme de comédia ou musical, melhor roteiro e melhor ator coadjuvante para Mahershala Ali.

FONTE: Estadão Conteúdo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Rafael Gomes
Rafael Gomes

Rafael Gomes

Hugo Napoleão - PI
(86) 9.94804032
www.canal121.com.br/cinema-e-tecnologia

Publicidade

Publicidade

GIF ATUAL - POSIÇÃO 1 PEQUENO - JANEIRO 2018
Facebook

Publicidade

Publicidade

nem motos segunda posição

Publicidade

Publicidade

DIVERSAS

Publicidade

Nova Vida - posição 4 - pequena

Publicidade

Enquete

Nenhuma enquete cadastrada.

Publicidade

© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium