domingo, 26 de maio de 201926/5/2019
86 9.9458-5206
Erro ao processar!
Erro ao processar!
slid 1 728x90
POLÍTICA
Presidente Jair Bolsonaro quer indicar Sérgio Moro à vaga no STF
Presidente afirmou também esperar que o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública seja aprovado, mas que não é 'dono da pauta' do Legislativo.
Rafael Gomes
Postada em 13/05/2019 às 07h44
Presidente Jair Bolsonaro quer indicar Sérgio Moro à vaga no STF

(Imagem: Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo, 12, que, na primeira vaga que abrir no Supremo Tribunal Federal (STF), espera cumprir o compromisso de indicar o atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. "Se Deus quiser, cumpriremos esse compromisso", disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes.


"Uma pessoa da qualificação do Moro se realizaria dentro do STF", afirmou. Bolsonaro disse acreditar que Moro seria um "grande aliado da sociedade brasileira dentro do STF".


Sobre o pacote anticrime apresentado ao Congresso pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Bolsonaro afirmou esperar que seja aprovado, mas ponderou que não é "dono da pauta" do Legislativo. "Maia (Rodrigo Maia) é dono da pauta na Câmara e Alcolumbre (Davi Alcolumbre) é dono da pauta no Senado", argumentou. "Não posso exigir, interferir, a bola (agora) está com o Rodrigo Maia."


Ele declarou ainda que o PT pode não querer julgar o projeto anticrime de Moro, que, de acordo com ele, pode "retardar" a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da prisão.


Durante a entrevista deste domingo, Bolsonaro ainda falou sobre as negociações com o Congresso, a influência nas decisões da Petrobrás e a reforma da Previdência. Confira a seguir:


Negociações com o Congresso


O presidente Jair Bolsonaro afirmou também que gostaria que a "grande mídia" dissesse a ele como formar uma base parlamentar no Congresso. De acordo com ele, até o governo passado, grandes partidos se reuniam com o presidente, que distribuía cargos na administração federal e na presidência de bancos e estatais.


"A base era feita dessa maneira, o ingrediente era esse, mas não falam na mídia", afirmou. Bolsonaro disse que a política do "toma lá dá cá" não deu certo. "Tem ex-presidente preso, ex-presidente da Câmara preso...", lembrou. Bolsonaro disse, no entanto, que o atual ministério tem as "portas abertas" para todos os parlamentares. Mas, para o presidente, parlamentar não tem que votar com o governo porque foi "atendido em alguma coisa".


 

FONTE: Estadão Conteúdo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium