domingo, 26 de maio de 201926/5/2019
86 9.9458-5206
Erro ao processar!
Erro ao processar!
slid 1 728x90
Cinema e Tecnologia
Cinema e Tecnologia

Rafael Gomes

ENTRETENIMENTO
WhatsApp tem vulnerabilidade que permite invasão de hackers
A companhia solicitou a todos os seus usuários que atualizem o aplicativo.
Rafael Gomes
Postada em 14/05/2019 às 10h04
WhatsApp tem vulnerabilidade que permite invasão de hackers

(Imagem: Divulgação)

O WhatsApp anunciou na noite desta segunda-feira (13) que descobriu uma vulnerabilidade em sua plataforma, o que deixava aberta uma brecha de segurança para ataques de hackers no mensageiro. A companhia solicitou a todos os seus usuários que atualizem o aplicativo — tanto no Android quanto no iOS.


De acordo com o site estadunidense Financial Times (FT), que revelou a falha no mensageiro, a vulnerabilidade em questão permite que invasores utilizem um spyware comercial possivelmente desenvolvido pela empresa israelense NSO Group a fim de roubar dados e informações de um aparelho.


Ainda conforme a publicação, a instalação do spyware se dá por meio de uma chamada telefônica feita para o aparelho-alvo mesmo que ela não seja atendida. Além disso, esta chamada não some dos registros do aplicativo, o que torna a sua atuação ainda mais silenciosa.


Atualize já


Em comunicado enviado à agência de notícia Reuters, a empresa fez um apelo para que todos os seus 1,5 bilhão de usuários atualizem o aplicativo.


“O WhatsApp encoraja as pessoas a atualizarem para a versão mais recente de nosso aplicativo, bem como manterem o sistema operacional de seu celular atualizado para proteção contra potenciais ataques direcionados a comprometer as informações armazenadas em dispositivos móveis”, informou um porta-voz.


Ataques localizados


No último domingo (12), o telefone celular do advogado de um grupo de direitos humanos do Reino Unido teria sido atacado usando um método semelhante a este divulgado ontem pelo FT e confirmado pelo WhatsApp.


Este advogado, que não foi identificado, teria trabalhado junto de um grupo composto por jornalistas mexicanos, críticos ao governo israelense e um dissidente árabe para processar a NSO em Israel por supostos abusos dos softwares de espionagem da empresa.


A Anistia Internacional alega que ao menos 24 ativistas de direitos humanos teriam sido alvo de ataques que usavam a tecnologia do NSO Group. Agora, o grupo, que também milita na defesa dos direitso humanos em todo o mundo, pede que o governo de Israel “revogue as licenças de exportação do NSO Group e o impeça de lucrar a partir da repressão estatal”.


Para acalmar o ânimo de seus utilizadores, o WhatsApp informou que os ataques identificados usando o spyware israelense foram direcionados a vítimas específicas, não se tratando, portanto, de uma invasão em larga escala.


Alerta


A vulnerabilidade foi descoberta no início de maio e ainda não ficou claro quantos aparelhos de fato foram afetados — a empresa fala que “dezenas” de aparelhos foram afetados pelo arquivo espião. De qualquer maneira, dada a tecnologia usada na invasão, o WhatsApp coloca a NSO Group como a principal suspeita.


“Este ataque tem todas as marcas registradas de uma conhecida companhia privada que trabalha com governos a fim de fornecer um spyware que supostamente assume as funções de sistemas operacionais de celulares”, informou o Facebook, dono do WhatsApp. “Nós informamos várias organizações de direitos humanos para compartilhar a informações que pudermos e trabalhamos junto com elas para notificar a sociedade civil.”


Segundo o FT, o WhatsApp teria notificado também o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.


NSO nega participação


Em comunicado, o NSO Group negou qualquer envolvimento com o exploit que utiliza a brecha de segurança do WhatsApp para instalar um espião em smartphones.


“Em nenhuma circunstância a NSO estaria envolvida na operação ou identificação de alvos de sua tecnologia, que é unicamente operada por agências de inteligência e de aplicação da lei”, registrou a companhia israelense de cibersegurança. “A NSO não faria, nem poderia fazer, uso de sua tecnologia por si própria para atacar qualquer pessoa ou organização”, completou.

FONTE: Tec Mundo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Rafael Gomes
Rafael Gomes

Rafael Gomes

Hugo Napoleão - PI
(86) 9.94804032
rafaelgomes.if@gmail.com
www.canal121.com.br/cinema-e-tecnologia

Publicidade

Publicidade

SLIDE 1 300x250
Facebook

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Slide 3 300x250

Publicidade

Nova Vida - posição 4 - pequena

Publicidade

Enquete

Nenhuma enquete cadastrada.

Publicidade

© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium