Sexta, 20 de abril de 201820/4/2018
86 9.9458-5206
Muito nublado
22º
26º
31º
Teresina - PI
Erro ao processar!
GIF 728x90 MARÇO 2018
BRASIL
Ministérios são incendiados e depredados em Brasília; governo evacua todos os prédios da Esplanada
A todo momento, grupos de policiais tentam dispersar manifestantes, que estão espalhados pela Esplanada dos Ministérios.
Redação
Postada em 24/05/2017 às 16h47 - atualizada em 26/05/2017 às 07h12
Ministérios são incendiados e depredados em Brasília; governo evacua todos os prédios da Esplanada

Ministérios são incendiados e depredados em Brasília (Imagem: Reprodução)

Todos os prédios da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, foram evacuados na tarde desta quarta-feira (24) após os manifestantes colocarem fogo nos ministérios da Agricultura e da Fazenda. Ao menos mais três prédios foram depredados. Os funcionários dos ministérios foram retirados dos prédios pelas saídas dos fundos. O Palácio do Planalto está cercado pelo Exército.


Um grupo de cerca de 50 pessoas usando máscaras no rosto promoveu um quebra-quebra em meio à manifestação contra o governo do presidente Michel Temer em Brasília após a Polícia Militar dispersar parte do protesto com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral.


"Servidores se encontram aterrorizados", disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann, durante pronunciamento na tarde desta quarta.



O grupo destruiu persianas e vidraças de ministérios, entre eles o da Integração Nacional, o do Trabalho e o da Agricultura. Este último havia sido cercado por tapumes, mas, mesmo assim, teve os vidros quebrados. Também foram depredados paradas de ônibus, placas de trânsito, orelhões, holofotes que iluminam os letreiros dos ministérios e até banheiros químicos que haviam sido instalados para a manifestação.


A confusão começou quando os manifestantes tentaram furar uma barreira feita pela polícia para se aproximar do Congresso. A todo momento, grupos de policiais tentam dispersar manifestantes, que estão espalhados pela Esplanada dos Ministérios. Vários atiram pedaços de pau e pedras em direção aos policiais, enquanto os trios elétricos das centrais sindicais estão praticamente no meio do fogo cruzado.


Enquanto isso, do lado de dentro do Congresso, deputados de oposição ao governo federal ocuparam a Mesa Diretora da Câmara em protesto contra o presidente Michel Temer e pediram o encerramento dos trabalhos na Casa. Vice-presidente da Câmara, André Fufuca (PP-MA), suspendeu a sessão por dez minutos depois de uma confusão.


A Marcha das Centrais Sindicais, como está sendo chamado o ato, protesta contra as reformas propostas pelo governo federal e pede a renúncia do presidente Michel Temer. Os manifestantes se reuniram pela manhã em frente ao estádio Mané Garrincha e depois seguiram em caminhada até o Congresso passando pela Esplanada dos Ministérios.


A reportagem viu ao menos três manifestantes feridos, dois homens e uma mulher, sendo atendidos por bombeiros. Todos estavam conscientes. Um dos homens foi trazido por colegas manifestantes que estavam muito nervosos com a situação, e fizeram protestos diretamente a policiais militares que estavam no local. Com o ferido no chão, os PMs dispersaram o grupo com spray de pimenta.


De acordo ainda com a polícia, 500 ônibus trouxeram os manifestantes. Por volta das 16h, os manifestantes começaram a se dispersar em frente ao gramado do Congresso Nacional em direção ao estádio Manoel Garrincha, que fica a cerca de 5 km da Esplanada dos Ministérios.


No início da tarde, policiais militares a cavalo lançaram bombas e atiraram balas de borracha em direção aos manifestantes no gramado da Esplanada. Forças de segurança fizeram outras barreiras nas pistas da Esplanada, também lançando bombas de gás contra manifestantes.



Lideranças do movimento pediam calma, orientam todos a não provocar a polícia e gritam "sem violência". De cima dos trios elétricos, lideranças continuavam discursando. "Não são essas bombinhas que jogam em nós que vão tirar o brio dos trabalhadores do Brasil", disse uma delas.


Angelita do Amaral, 40, servidora pública do Rio Grande do Sul estava atrás do grupo que tentou furar a barreira da polícia militar. Apesar de ter sido atingida com o gás, ela diz acreditar que a corporação fez o que deveria ter sido feito. "A polícia fez o trabalho dela. Um grupo jovem tentou furar o bloqueio e aconteceu isso. Infelizmente, uma parte acaba estragando um protesto tão bonito", reclamou. Wilton Junior/Estadão Conteúdo


As forças de segurança tentaram manter os manifestantes na mesma linha dos trios elétricos, estacionados a cerca de 300 metros do Congresso. Mais cedo, também houve uma pequena confusão entre policiais e manifestantes que não queriam passar pela revista. A avenida das Bandeiras é o limite para a chegada dos manifestantes. A Secretaria de Segurança e da Paz do Distrito Federal informou que os participantes do protesto não poderão chegar até a praça dos Três Poderes.



Durante a marcha, líderes sindicais anunciaram no carro de som que nenhum mascarado ia entrar no movimento. "Estamos de olho", anunciaram e pediam que quem estiver com o rosto coberto que tirasse a máscara.


Parlamentares de partidos da oposição se juntaram à marcha por volta de 13h e subiram em um dos carros de som que cruzava a Esplanada dos Ministérios, mas disseram que só iam discursar quando estiverem na frente do Congresso Nacional.


Entre eles, estavam os senadores Lindbergh Farias (RJ), Paulo Rocha (PA) e Gleisi Hoffman (PR), todos do PT, e a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ).


(Com informações do Uol e Agência Brasil)


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium