Quarta, 30 de Setembro de 2020
86 9.9458-5206
Internacional Missão Regresso

Brasileiros repatriados chegam da China e começam período de quarentena

Grupo de 34 pessoas estava em Wuhan, no epicentro do coronavírus, e deve ficar 18 dias em Anápolis.

09/02/2020 10h09 Atualizada há 8 meses
Por: Rafael Gomes
(Imagem: Divulgação)
(Imagem: Divulgação)

Depois de uma viagem de mais de 36 horas a partir de Wuhan, na China, os dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) que trazem os repatriados pousaram às 06h05 deste domingo, 9, na Base Aérea de Anápolis, em Goiás. Eles fizeram paradas em Varsóvia, na Polônia, e em Fortaleza (CE).

A Missão Regresso traz de volta ao País um grupo de 34 brasileiros, entre adultos e crianças, que pediu para deixar a região que se transformou no epicentro de contaminações pelo novo coronavírus. Os repatriados são acompanhados por mais 24 tripulantes, entre equipes de voo, médicos e pessoal de comunicação.

Na ala 2 da base aérea, as 58 pessoas ficarão hospedadas por 18 dias, tempo da quarentena estipulado para confirmar que, de fato, nenhum dos repatriados apresenta qualquer indício de contaminação. 

Assim como ocorreu no embarque desses brasileiros na China, eles deverão passar por uma série de exames iniciais ao entrarem na base. Como o avião pousou diretamente no local, não haverá necessidade de deslocamento do grupo pela cidade de Anápolis, município de 360 mil habitantes, localizado a 60 km de Goiânia (GO) e 140 km de Brasília (DF).

Familiares dos repatriados passaram os últimos dias na cidade, visitaram a base aérea e acompanharam de perto as movimentações da operação. O acesso aos parentes que retornaram, no entanto, está proibido no período da quarentena.

O prédio militar onde as famílias ficarão hospedadas foi completamente adaptado para receber cada um dos repatriados. Os hóspedes já foram determinados para cada quarto. Alguns têm berços, outros receberam poltronas. Todos possuem mesas com alimentos, frigobar e itens de higiene, como álcool gel e máscaras. 

Durante a quarentena, o grupo poderá caminhar pela área externa, dentro de uma faixa delimitada. O prédio da ala 2 fica numa parte mais afastada da base, uma área de canto, cercada por vegetação. Toda a base é protegida por muros altos de blocos, encobertos por rolos de arame farpado.

A alimentação diária será trazida para o local, onde cada pessoa poderá se servir e, depois, deixar louças e talheres para que sejam retirados. Estão programadas seis refeições diárias.

Para tornar o período de confinamento mesmo exaustivo, há recursos de entretenimento, com brinquedoteca para as crianças, acesso à internet e videogame. Apresentações de fanfarras da Força Aérea também estão na agenda dos próximos dias. 

Expectativa

Do lado de fora do muro da base aérea, familiares vão acompanhar de longe a chegada dos parentes. Nenhum tipo de acesso é permitido ao grupo. Apesar de o critério de embarque de cada brasileiro ser aqueles que não apresentaram nenhum tipo de sintoma do novo coronavírus, como febre alta e dificuldade de respirar, o isolamento tem o objetivo de eliminar qualquer possibilidade de risco.

Em Anápolis, estão familiares como José Neves de Siqueira Júnior, pai de Vitor Siqueira, professor de 28 anos que morava em Wuhan. O pai veio de Belo Horizonte (MG) para acompanhar de perto a movimentação na base, mesmo impossibilitado de ter acesso ao filho. “Ficarei aqui, a 500 metros do meu filho. É bem diferente de estar do outro lado do mundo”, diz Siqueira Júnior.

Mesmo à distância, ele pretende ficar na cidade para estar próximo do filho. “Ficarei aqui os 18 dias, minha esposa também está vindo para cá. Vamos acompanhar tudo de perto, até leva-lo para casa.” 

Com informações do Estadão Conteúdo 

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias