MANOS GRÁFICA - TOPO
TJR - AUTO PEÇAS - TERESINA PIAUÍ
FUNERÁRIA NOVA VIDA - TOPO
TERIM - TOPO
RC MOTOS - BARRO DURO - REGIS
BANNER DA INTERNET - SÃO GONÇALO 1
CALÇADEIRA PÉ QUENTE
CANAL 121 - TOPO
BANNER DA INTERNET - SÃO GONÇALO 2
GR GÁS E ÁGUA - SÃO GONÇALO DO PIAUÍ - GASPAR
Inflação

IPCA é o menor para janeiro em 25 anos e afasta fantasma da inflação

Após susto com o preço das carnes no fim do ano passado, índice ficou em 0,21%.

10/02/2020 14h53
Por: Rafael Gomes
Preço da carne bovina caiu 4,03%; apesar de mais baixo, ainda não foi suficiente para abater a disparada no fim de 2019 (Imagem: Divulgação)
Preço da carne bovina caiu 4,03%; apesar de mais baixo, ainda não foi suficiente para abater a disparada no fim de 2019 (Imagem: Divulgação)

 A aposta de uma inflação mais baixa em 2020 em relação a 2019 estimada tanto pelo Banco Central quanto pelo mercado financeiro começou a ser confirmada pelo resultado do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro. O indicado, considerado a inflação oficial do país, desacelerou para 0,21% em janeiro, depois de registrar alta de 1,15% em dezembro, divulgou nesta sexta-feira, 7, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação controlada é um dos pontos chaves para que a economia brasileira volte a crescer – e de maneira sustentável.

O resultado do IPCA é o menor para um mês de janeiro desde o início do Plano Real, em julho de 1994. Em janeiro de 2019, a taxa havia ficado em 0,32%. Apesar de no acumulado dos últimos doze meses o índice estar em 4,19%, ainda acima da meta do ano, de 4%, o susto de disparada nos preços parece ter ficado para trás. Grande vilã no fim de 2019, a carne, passou de uma alta de 18,06% em dezembro para uma queda de 4,03% no mês passado, trazendo maior previsibilidade ao orçamento do brasileiro.

“Tivemos uma alta muito grande no preço das carnes, nos últimos meses do ano passado, devido às exportações para a China e alta do dólar que restringiram a oferta no mercado interno. Agora, percebemos um recuo natural dos preços, na medida em que a produção vai se restabelecendo para atender ao mercado interno”, avaliou o gerente de Índice de Preços do IBGE, Pedro Kislanov. Alguns cortes, apresentaram queda ainda maior. É o caso do filé mignon (-9,72), patinho (-8,32) e alcatra (-5,89).

Já o maior impacto positivo no índice veio do grupo habitação, puxada pelos preços de condomínio (1,39%) e aluguel residencial (0,61%). O setor de transportes também pesou mais no bolso em janeiro, devido a alta do preço da gasolina (0,89%) e o etanol (2,59%). O aumento dos combustíveis tem tirado o presidente Jair Bolsonaro do sério. Nesta semana, por mais de uma oportunidade, ele falou em zerar impostos de combustíveis, principalmente o ICMS, apesar de não apresentar um plano de como ficaria a arrecadação (ou se outros impostos subiriam) caso o plano fosse colocado em prática.

A variação dos preços no mês passado foi calculada com base na nova cesta de produtos e serviços,  para acompanhar mudanças nos hábitos de consumo da população brasileira. O IPCA de janeiro contém preços do transporte por aplicativo, coletados pela primeira vez por um robô virtual. Segundo o gerente da pesquisa, nenhum dos novos itens impactaram no indicador de janeiro. O transporte por app recuou 0,54% no período.

Com informações do Veja